Missionários Redentoristas

BREVE HISTÓRIA DOS REDENTORISTAS

Santo Afonso Maria de Ligório fundou em 1732 no sul da Itália a Congregação do Santíssimo Redentor, popularmente chamada Congregação dos Redentoristas.
Os Redentoristas se esforçam por continuar o exemplo de Jesus Cristo Redentor pregando o Evangelho aos pobres (cf. Lc 4,14-21).
A Congregação teve início como uma resposta às necessidades espirituais dos abandonados, do povo pobre que vivia na zona rural, nas montanhas fora da cidade de Nápoles.
A princípio, apenas uns poucos homens seguiram a inspiração de Santo Afonso. Mas enquanto ainda vivia o Fundador, a Congregação expandiu-se para fora do Reino de Nápoles, primeiramente para a Itália central e depois para a Polônia.
Durante as primeiras décadas do séc. XIX foram fundadas comunidades redentoristas no Império austro-húngaro, na Alemanha, na Bélgica e na Holanda.
Em 1832, no centenário da fundação da Congregação, seis missionários redentoristas (três sacerdotes e três irmãos) partiram para os Estados Unidos e começaram a primeira obra missionária fora da Europa. Seguiram-se fundações na América Latina, na Austrália e depois na África e na Ásia.

 

MISSIONÁRIOS REDENTORISTAS

Os Missionários Redentoristas, padres e irmãos, estão espalhados pelo mundo inteiro, presente em mais de 80 países. Em 1894 chegaram os primeiros Redentoristas no Brasil. Atualmente somos aproximadamente 600 missionários aqui no país, distribuídos em nove unidades, que são cinco (5) Províncias: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Goiás e Campo Grande, e quatro (4) Vice Províncias: Recife, Fortaleza, Manaus e Bahia. Nós da Província de Campo Grande, estamos nos Estados do Paraná e Mato Grosso do Sul. Cuidamos de paróquias, santuários e meios de comunicação social. A Congregação do Santíssimo Redentor é um Instituto clerical de vida apostólica e votos simples, com a finalidade de: “continuar o exemplo de Jesus Cristo Salvador, pregando aos pobres a Palavra de Deus, como disse de si mesmo: Enviou-me para evangelizar os pobres” (Const. 1). “Os membros da Congregação tem como incumbência o anuncio explicito do Evangelho” (Const. 5). “Esse anuncio visa especialmente a Copiosa Redenção, isto é, o amor de Deus Pai “que nos amou primeiro e nos enviou seu Filho, como propiciarão pelos nossos pecados” (1Jo 4, 10) e que pelo Espírito Santo vivifica a todos os que n’Ele creem” (Const. 6). Desde o começo eles corresponderam à vocação com exercícios espirituais, missões e Instrução religiosa. A Congregação foi fundada em Scala no dia 09 de novembro de 1732, na Itália, por Santo Afonso Maria de Ligório. No começo foi uma simples Congregação de padres seculares sem votos, mas em 1740 para assegurar uma estabilidade maior, eles fizeram o voto de perseverança. Depois da morte de Falcoia em 1743, a Congregação, ou o Capítulo, escolheu Santo Afonso como superior maior com o título de Reitor mor e, ao mesmo tempo, eles adotaram os três votos religiosos. Depois da profissão religiosa de São Clemente Maria de Hofbauer e do Padre Thaddeus Hübl, em 1785, a Congregação se estendeu às regiões do Norte da Europa. Em 1787 uma comunidade foi fundada em Varsóvia. Depois da morte de São Clemente, em 1820, e sob a direção do Venerável Padre José Passerat, Vigário Geral fora da Itália, a Congregação conheceu uma expansão considerável até chegar aos Estados Unidos. Os redentoristas estão na América Latina desde 1870, na Austrália desde 1882 e na África desde 1899. A primeira fundação na Ásia foi por volta de 1906.

REDENTORISTAS EM MATO GROSSO DO SUL

A Província Redentorista de Campo Grande nasceu no ano de 1930, com a chegada de dois padres Missionários Redentoristas vindos da Província de Baltimore dos Estados Unidos. Francis Mohr e Alphonse Hild que desembarcaram em Aquidauana/MS, e deram início à presença estável de redentoristas no Mato Grosso do Sul. Em 1934 foi feita a primeira fundação no Paraná. Em 1936 foi criada a Vice-província que, em 1942, teve sua sede transferida para Campo Grande. Em 1971 a sede foi novamente mudada, agora para Curitiba (PR), mantendo, porém, o mesmo nome também depois da elevação a Província em 1990. No Mato Grosso do Sul nossas comunidades estão em: Campo Grande, Aquidauana, Ponta Porã. No Paraná: Curitiba, Guaratuba, Telêmaco Borba, Paranaguá e Londrina.  A Evangelização da Província Redentorista de Campo Grande é Graça de Deus e fruto da generosidade de centenas de Missionários Redentoristas ao longo dos anos. Coragem, amor, zelo apostólico e ardor missionário marcam nossa historia que continua a ser uma resposta ao Cristo Redentor a maneira de ler o Evangelho a partir de Santo Afonso Maria de Ligório.

SANTUÁRIO EM CAMPO GRANDE

A Paróquia de Nossa Senhora do Perpetuo Socorro foi fundada em 1939, pelo então Bispo de Corumbá, Dom Vicente Priante, no promissor Bairro Amambaí, cujo traçado, elaborado por engenheiros militares, acompanha as linhas sinuosas da ferrovia. Assim, com a vocação para atender aos habitantes da margem direita do córrego Segredo, a Paróquia instala-se em meio ao conjunto militar, e fica sob os cuidados da Congregação do Santíssimo Redentor dos Missionários Redentoristas. A Igreja foi construída em um terreno cedido pela Prefeitura Municipal ao lado das instalações do Circulo Militar. A inauguração da Igreja aconteceu no dia 03 de Agosto de 1941. Junto a Igreja, funcionou durante muito tempo o Seminário dos Redentoristas. No dia 10 de janeiro de 1999 o então Arcebispo de Campo Grande, Dom Vitorio Pavanello, publicou o decreto de ereção da Igreja a Santuário Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, motivado pelas tradicionais novenas que acontecem todas as quartas-feiras e reúnem milhares de pessoas. Atualmente, todas as quartas-feiras acontecem 18 novenas: das 06h00 as 23h00, ininterruptamente. Além disso, o Santuário tem responsabilidade social. Foi criada a AFIM (Associação Redentorista Filhos de Maria) para cuidar da parte social.

C.Ss.R.

Os Redentoristas usam as iniciais “C.Ss.R.” após os seus nomes. Essas quatro letras são uma abreviação de  Congregatio Sanctissimi Redemptoris, expressão latina que significa A Congregação tem um lema tirado do versículo 7 do Salmo 130, em latim: Copiosa apud eum redemptio  (Nele é copiosa a Redenção).
Essa parte do salmo é uma declaração resumida do espírito que motiva os Redentoristas, porque nele Deus se mostra como absolutamente generoso em amor, compaixão e perdão para com a humanidade, amando de tal modo o mundo que deu seu Filho único, Jesus Cristo (cf. Jo 3,16).
Os Redentoristas foram tocados por esse amor e por isso procuram levar essa Boa Nova ao mundo, mas com especial preferência por aqueles que vivem à margem da Igreja e da sociedade.

 

SANTOS REDENTORISTAS:

Santo Afonso Maria de Ligório

Santo Afonso Maria de Ligório nasceu em Marianella, perto de Nápoles, a 27 de setembro de 1696. Era o primogênito de uma família bastante numerosa, pertencente à nobreza napolitana. Recebeu uma esmerada educação em ciências humanas, línguas clássicas e modernas, pintura e música. Compôs um Dueto da Paixão, como também o cântico de Natal mais popular da Itália, Tu Scendi dalle Stelle, e numerosos outros hinos. Terminou os estudos universitários alcançando o doutorado nos direitos civil e canônico e começou a exercer a profissão de advogado.

Em 1723, depois de um longo processo de discernimento, abandonou a carreira jurídica e, não obstante a forte oposição do pai começou os estudos eclesiásticos. Foi ordenado sacerdote a 21 de dezembro de 1726, aos 30 anos. Afonso foi ordenado bispo de Santa Ágata dos Godos em 1762, aos 66 anos. Tentou recusar a nomeação porque se sentia demasiado idoso e doente para cuidar adequadamente da diocese. Em 1775, foi-lhe permitido deixar o cargo e ele foi morar na comunidade redentorista de Pagani, onde morreu no dia PRIMEIRO de agosto de 1787. Foi canonizado em 1839, proclamado Doutor da Igreja em 1871 e Patrono dos Confessores e Moralistas em 1950.

São Geraldo Majela

Nasceu em Muro, pequena cidade do sul da Itália em 6 de a Abril de 1726. Sua mãe, Benedetta, foi uma bênção para ele, pois lhe ensinou o imenso amor de Deus que não conhece limites. Ele era feliz por estar perto de Deus. Foi um irmão leigo da Congregação do Santíssimo Redentor. Seu pai, alfaiate, faleceu quando ele tinha 12 anos de idade e sua família ficou em estado de extrema pobreza. Tentou entrar na Ordem dos Capuchinhos, mas estes o recusaram devido a sua condição de saúde. Já junto à Congregação dos Redentoristas, este foi aceito após muita insistência e serviu como sacristão, jardineiro, porteiro, enfermeiro e alfaiate.

Durante sua trajetória como religioso, em 1754, foi acusado falsamente por uma mulher. Ele não se defendeu, ficou calado. Mais tarde, a referida mulher se arrependeu, retratando-se e inocentando-o. Ele também tinha a fama de se bilocar (a capacidade de estar presente em dois lugares ao mesmo tempo) e de ser vidente. Seu diretor espiritual pediu-lhe que escrevesse qual era o seu maior desejo. Ele escreveu: “amar muito a Deus; estar sempre unido com Deus; fazer tudo por amor de Deus; amar a todos por amor de Deus; sofrer muito por Deus. Minha única ocupação é fazer a vontade de Deus.”

Abandonava-se totalmente à vontade de Deus e escreveu na porta do seu quarto: “Aqui se faz a vontade de Deus, como Deus quer e porquanto tempo Ele quer.” Com frequência ouviam-no recitar esta oração: “Meu Deus, quero morrer para fazer vossa santíssima vontade.” Pouco antes da meia-noite do dia 15 de outubro de 1755, a sua alma inocente voltou para Deus. Faleceu no dia 15 de outubro de 1755 vítima de tuberculose, foi beatificado em 29 de janeiro de 1893 pelo Papa Leão XIII, e canonizado em 11 de dezembro de 1904 pelo Papa Pio X. O seu dia é comemorado em 16 de outubro e é padroeiro dos alfaiates, das boas confissões, das crianças, das pessoas falsamente acusadas, das gestantes, dos Irmãos leigos, das mães, das maternidades, dos nascituros, do parto e dos porteiros.

São Clemente Hofbauer

São Clemente Maria Hofbauer, nasceu em 26 de dezembro de 1751 em Tasswitz, Morávia como John Dvorák. Ele era a nono filho de um açougueiro que  mudou  o nome de família do moraviano  Dvorak para o germânico  Hofbauer. Seu pai morreu quando Clemente tinha seis anos. Um pouco mais tarde ele sentiu o chamado para a vida religiosa, mas sua família era muito pobre para pagar a sua educação. Ele então se tornou um aprendiz de padeiro e mais tarde como padeiro foi trabalhar com os eremitas no monastério de Bruck. Quando os eremitas foram abolidos pelo Imperador  José II, Clemente trabalhou como padeiro em Viena, Áustria. Mais tarde foi um eremita na Itália com Peter Kunzmann e tomou o nome de Clemente. Ele fez  várias peregrinações a Roma. Durante sua terceira peregrinação ele entrou o para o a Ordem dos Redentoristas em San Guliano e adicionou o nome de Maria passando a se chamar Clemente Maria Hofbauer. Ele se encontrou com algumas pessoas durante uma missa que decidiram pagar pela sua educação.

Ele estudou na Universidade de Viena e em Roma. Ordenado em 1785 ele foi designado para Viena. Missionário em Varsóvia com vários companheiros de 1786 a 1808, trabalhando com os pobres e construindo escolas, ele e os irmãos pregavam às vezes até cinco sermões por dia. Dali ele enviou  missionários Redentoristas para  a Alemanha e Suíça. Seus companheiros foram aprisionados  em 1808 quando Napoleão suprimiu as ordens religiosas e os expulsou da Áustria. Um notável pregador e diretor espiritual em Viena, Clemente era diretor espiritual do Convento das Irmãs Ursulinas. Ele fundou um colégio católico em Viena, trabalhou com os pobres e ajudou a revitalizar a vida  religiosa na Alemanha. Trabalhou contra o estabelecimento de Igreja Nacional Germânica e contra o Josephinismo  que queria o controle  secular do Clero e da Igreja.

Para dar comida e roupa aos garotos que recolhera das ruas, tinha de esmolar constantemente. Fazia isto sem constrangimento. Conta-se que em outra ocasião ele foi mendigar num bar. Quando Clemente pediu uma doação, um dos donos desdenhosamente lhe cuspiu cerveja no rosto. Clemente limpou o rosto e respondeu: “Isto foi para mim. Agora, o que o Senhor tem para os meus meninos?” Os homens que estavam no bar ficaram tão pasmados com aquela resposta heróica, que deram a Clemente mais de 100 moedas de prata. Faleceu em 15 de março de 1820 na Áustria, Viena. É considerado o segundo fundador da Congregação do Santíssimo Redentor. Clemente Maria Hofbauer foi beatificado pelo Papa Leão XIII em 29 de janeiro de 1888 e canonizado em 20 de maio de 1909 pelo Papa Pio X. Em 1914, o Papa Pio X concedeu-lhe o título de Apóstolo e Patrono de Viena. Hoje, mais de 150 anos após a sua morte, a festa anual de São Clemente é lembrada de modo especial pelo povo de Viena e pelos 6.000 padres e irmãos em todo o mundo, que vestem o hábito redentorista como São Clemente o fez. Sua festa é celebrada no dia 15 de março.

São João Newmann

Nascido em Prachatitz, na Boêmia, no dia 28 de março de 1811, entrou para o seminário no ano 1831. Dois anos depois, foi para Praga, onde estudou teologia. Em 1835, pediu a ordenação presbiteral, mas o bispo decidiu que não haveria mais ordenações lá. João escreveu aos bispos de quase todo o mundo, mas em todos os lugares a mesma história: nenhum queria padres agora. Sem desistir, aprendeu inglês trabalhando em uma fábrica, com trabalhadores de idioma inglês. Escreveu, então, aos bispos dos Estados Unidos. Finalmente, o bispo de Nova York concordou em ordená-lo. Abandonou a família para sempre e cruzou o oceano para entrar em uma terra distante e difícil. Em Nova York, João foi um dos 36 padres para mais de 200.000 católicos. Sua paróquia, a oeste de Nova York, estendia-se desde o rio Ontário até a Pensilvânia. Devido a seu intenso trabalho pastoral e por causa da distância da paróquia, João sonhava viver em uma comunidade: ingressou entre os redentoristas. Foi o primeiro padre que entrou na Congregação na América. Professou em Baltimore, no dia 16 de janeiro de 1842.

Entre os redentoristas, João destacou-se como uma pessoa altamente piedosa, por sua evidente santidade, por seu zelo e por sua amabilidade. O seu conhecimento de seis idiomas modernos o tornou particularmente apto para o trabalho na sociedade americana composta de muitas línguas no século dezenove. Depois de trabalhar em Baltimore e Pittsburgh, em 1847 foi nomeado Visitador ou Superior Maior dos Redentoristas nos Estados Unidos. Em 1852, foi nomeado Bispo de Filadélfia. A diocese dele era muito grande e passava por um período de desenvolvimento considerável. Neste período, foi o primeiro a organizar um sistema diocesano de escolas católicas. São João Neumann era de estatura pequena, nunca teve uma saúde robusta, mas em sua vida teve uma grande atividade. No dia 5 de janeiro de 1860 (com 48 anos de idade apenas) caiu na rua, em sua cidade episcopal, e morreu antes que lhe pudessem administrar os últimos sacramentos. Foi beatificado pelo Papa Paulo VI no dia 13 de outubro de 1963 e canonizado pelo mesmo Papa no dia 17 de junho de 1977.