Papa entregará pálio ao Arcebispo de Curitiba. RV transmite ao vivo

0

Cidade do Vaticano (RV) – Na próxima segunda-feira (29/06), a Igreja recorda os Santos Pedro e Paulo – solenidade que no Brasil será celebrada no domingo precedente (28/06).

Tradicionalmente, na missa presidida na Basílica Vaticana, o Papa entrega o pálio aos Arcebispos Metropolitanos, que nesta ocasião serão 46. Destes, somente um é brasileiro: Dom José Antônio Peruzzo, Arcebispo de Curitiba (PR).

A Rádio Vaticano transmitirá esta cerimônia ao vivo, com comentários em português, a partir das 9h25 – horário de Roma (4h25 no horário de Brasília).

Mudança

Este ano, o rito tradicional terá uma novidade, a pedido de Francisco. Com uma carta datada de 12 de janeiro, o Mestre das Celebrações Pontifícias, Mons. Guido Marini, informou que a partir de agora a faixa de lã branca será entregue e não colocada pelo Santo Padre. A imposição do Pálio será realizada nas respectivas dioceses de origem pela mão dos Núncios Apostólicos locais.

“O significado desta alteração é colocar em maior evidência a relação dos bispos metropolitanos –com a sua Igreja local e, assim, dar também a possibilidade a mais fiéis de estarem presentes neste rito tão significativo para eles, e também particularmente aos bispos das dioceses sufragâneas, que deste modo, poderão participar do momento da imposição. Neste sentido, mantém-se todo o significado da celebração de 29 de junho, que sublinha a relação de comunhão e também de comunhão hierárquica entre o Santo Padre e os novos arcebispos; ao mesmo tempo, a isto se acrescenta – com um gesto significativo – esta ligação com a Igreja local”, explicou Mons. Marini à Rádio Vaticano.

O Pálio

O pálio é elaborado com lã branca, com cerca de 5cm de largura e dois apêndices – um na frente e outro nas costas. Possui seis cruzes bordadas em lã preta. É confeccionado pelas monjas beneditinas do Mosteiro de Santa Cecília, em Roma, utilizando a lã de dois cordeiros que são oferecidos ao Papa no dia 21 de janeiro de cada ano na Solenidade de Santa Inês.

O uso do pálio, que nos primeiros séculos do Cristianismo era exclusivo dos Papas, passou a ser usado pelos Metropolitanos a partir do século VI, tradição que perdura até aos nossos dias. O pálio é símbolo do serviço e da promoção da comunhão na própria Província Eclesiástica e na sua comunhão com a Sé Apostólica. (BF)