O Serviço não é ideológico. Servimos a pessoas não a ideias – Papa em Cuba

0

Na manhã deste domingo, o Papa saiu da Nunciatura, onde pernoitou, às 8 da manhã, hora local, percorrendo cerca de 4 km em viatura panorâmica, até à Praça da Revolução “José Martí”, onde presidiu à Missa, depois de uma volta por entre a multidão de fiéis, cerca de um milhão.

A Praça da Revolução, José Martí, é um lugar fortemente simbólico de Cuba, palco de encontro de grandes multidões. Pode conter cerca de 600 mil pessoas. José Martí, como se sabe é um renomado jornalista e poeta que viveu entre 1853 e 1895. Militante contra a ocupação espanhola em Cuba, foi deportado, primeiro para a Espanha, e depois para o México. Viveu na América Latina, Paris e Nova Iorque, antes de voltar para Cuba, onde foi assassinado em batalha contra os espanhóis. Conhecido durante a sua vida pelos seus ensaios políticos, José Martí é considerado hoje um dos iniciadores da escola poética e modernista da América Latina.

Mas voltemos à Missa nessa Praça onde se ergue, para além da estátua de José Martí, o Palácio da Revolução marcado pela bandeira cubana e pelo rosto e Che Guevara… e onde os Papas João Paulo II e Bento XVI tinham também rezado missa…

Na sua homilia o Papa Francisco comentou o Evangelho de São Marcos em que Jesus pergunta aos seus discípulos de que discutiam pelo caminho? – Os discípulos, envergonhados, não respondem, pois discutiam sobre quem era o mais importante de entre eles aos olhos de Cristo. Jesus não insiste na pergunta, mas ela fica na mente e no coração dos discípulos. E é uma pergunta que Jesus nos pode fazer a nós hoje também. Quem é o mais importante? É uma pergunta à qual não podemos fugir ao longo da nossa vida. E a forma com se responde a esta pergunta tem marcado toda a história da humanidade – frisou o Papa.

Jesus não insiste na pergunta, mas conhecendo o coração humano, e como bom pedagogo assume os nossos interrogativos e aspirações, conferindo-lhes um novo horizonte, colocando novos desafios, propondo a lógica do amor, capaz de ser vivida por todos, porque é para todos. E não se trata de um horizonte para poucos privilegiados em conhecimentos ou espiritualidade. É algo para a vida diária, é uma resposta simples, a de Jesus:

“Se alguém quer ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos. Quem quiser ser grande, sirva os outros e não se sirva dos outros”

Jesus transtorna assim a lógica dos seus discípulos, fazendo-lhes compreender que “a vida autentica vive-se no compromisso concreto com o próximo” e “servir significa, em grande parte, cuidar da fragilidade”.

“Cuidar dos frágeis das nossas famílias, da nossa sociedade, do nosso povos. São os rostos sofredores, indefesos e angustiados que Jesus nos propõe olhar e convida concretamente a amar. Amor que se concretiza em acções e decisões. Amor que se manifesta nas diferentes tarefas que somos chamados, como cidadãos, a realizar. As pessoas de carne e osso, com a sua vida, a sua história e, especialmente com a sua fragilidade, são aqueles que Jesus nos convida a defender, a assistir, a servir. Porque ser cristãos comporta servir a dignidade dos irmãos, lutar pela dignidade dos irmãos e viver para a dignificação dos irmãos. Por isso à vista concreta dos mais frágeis, “o cristão é sempre convidado a pôr de lado as suas exigências, expectativas, desejos e omnipotências”

O Papa convidou depois a evitar servir de forma que o serviço no fundo seja para os próprios interesses, isto é, um serviço que gera sempre uma dinâmica de exclusão. Estamos todos chamados a fazer um serviço que serve e não um serviço de que nos servimos. “Todos somos convidados por Jesus a cuidar uns dos outros por amor”. Mas este cuidar por amor – adverte o Papa – não significa de modo nenhum servilismo; é sim um fixar sempre o rosto do irmão, padecer com ele, se necessário, e procurar a sua promoção. Por isso, frisou, “o serviço nunca é ideológico, dado que não servimos a ideias, mas a pessoas.”

E fazendo notar que o povo cubano é um povo alegre que ama a festa, a amizade, as belas coisas, um povo que canta, louva e sabe caminhar na esperança, não obstante as provações por que tem passado, o Papa convidou-os a cuidarem desta vocação, destes dons que Deus lhes deu, mas sobretudo a cuidarem e a servirem, de modo especial, a fragilidade dos seus irmãos, pois que a “importância de um povo, duma nação, duma pessoa, sempre se baseia no modo como serve a fragilidade dos seus irmãos. Quem não vive para servir, não serve para viver” – rematou. (DA)