Audiência: em África, testemunho, paz e desenvolvimento

0

Quarta-feira, 2 de dezembro – na audiência geral na Praça de S. Pedro o Papa Francisco, na sua catequese, falou sobre a sua recente viagem apostólica ao continente africano. O Santo Padre sublinhou, em particular, o trabalho dos missionários.

O Papa Francisco começou a sua catequese dizendo que na sua primeira Viagem Apostólica à África, começou por visitar o Quénia sob o lema “Sede firmes na fé, não tenhais medo”. O Santo Padre considerou ser o Quénia, um país que espelha bem o desafio global da nossa época: tutelar a criação através da reforma do modelo de desenvolvimento, para que seja justo, inclusivo e sustentável, tratando bem as riquezas naturais e espirituais dos povos.

Entretanto, no Uganda, afirmou o Papa, por ocasião do cinquentenário da canonização dos seus mártires e sob a inspiração das palavras do Senhor ressuscitado ‘sereis minhas testemunhas’, “quis unir-me a todos aqueles que não se cansam de dar um testemunho animados pelo Espírito Santo: os catequistas, aqueles que se dedicam ao serviço da caridade, a juventude, os consagrados e sacerdotes” – sublinhou o Santo Padre.

Finalmente, na República Centro-Africana, disse o Papa, “tive a alegria de abrir, uma semana antes, a Porta Santa do Jubileu da Misericórdia como sinal de esperança para aquele povo e para toda a África, que é convidada pelo Senhor a “passar à outra margem”: a margem da reconciliação, da paz e do progresso” – salientou o Papa.

Estava guardada para o final da audiência geral uma palavra especial para os missionários presentes em África: o Papa Francisco contou ter conhecido uma religiosa italiana de 81 anos que tinha vindo de canoa do Congo para o encontrar, trazendo consigo uma menina que lhe chamava ‘avó’. Esta missionária é enfermeira-parteira e ajudou a nascer mais de 3000 crianças na sua vida.

O Santo Padre apelou aos jovens para verem este testemunho e a pensarem bem no que querem fazer das suas vidas. Esta mulher, disse o Papa, deu-se pelos outros, anunciando Jesus Cristo, mas sem fazer proselitismo, apenas testemunhando com a sua vida. Um testemunho cristão.

O Papa Francisco, como habitualmente, saudou os muitos fiéis presentes na Praça, fazendo referência a cada uma das línguas propostas em tradução. Eis a saudação aos peregrinos de língua portuguesa:

“Dirijo uma cordial saudação aos peregrinos de língua portuguesa aqui presentes. Neste início de Advento, perguntemo-nos como viver mais profundamente o nosso compromisso de seguir o Rosto da Misericórdia divina que é Jesus, nossa esperança e nossa paz. Que Deus vos abençoe!”

O Papa Francisco a todos deu a sua benção!

(RS)