Prêmio Carlos Magno Aquisgrana atribuído ao Papa Francisco

0

A cidade alemã de Aquisgrana atribuiu hoje ao Papa Francisco  o Prémio Carlos Magno, prémio com que distingue personalidades que se tenham destacado pelo seu papel a favor dos valores da integração europeia. O Papa – lê-se na motivação – traz uma mensagem de esperança à Europa num momento de crise que tem relegado para segundo plano “todas as conquistas do processo de integração”. São citadas, de modo particular, as intervenções do Papa Francisco durante a sua visita a Estrasburgo em novembro do ano passado. O Papa – afirma-se – é a “voz da consciência” que pede para colocar o ser humano no centro, “uma autoridade moral extraordinária”.

A entrega do prémio não acontecerá, como habitualmente, durante a festa da Assunção, porque o Papa não irá a Aquisgrana, mas sim em Roma, numa data a ser definida.

O Papa Francisco é o segundo Papa a quem é conferido o Prémio Carlos Magno com referência à Europa e à unificação europeia: em 2004 fora atribuído ao Papa João Paulo II o Prémio Carlos Magno “extraordinário”. Além disso, o Papa Francisco é a terceira personalidade não-europeia a receber este prémio e ao mesmo tempo o terceiro americano. No ano 2000 o prémio fora atribuído ao Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton e, em 1959, a George Marshall, aquele que propôs o chamado Plano Marshall para a reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial.

O Prémio Carlos Magno de Aquisgrana é um dos mais importantes prémios europeus, atribuído a pessoas ou instituições que se tenham distinguido em questões relacionadas com a unidade da Europa.

A escolha do premiado é feita por um directório formado pelo Presidente da Câmara (burgomastro), pelo reitor da Catedral (Duomo) e pelo reitor da Universidade técnica, juntamente com representantes do Conselho de Cidadãos e outros membros nomeados.

A cidade alemã de Aquisgrana ou Achen (em alemão) é a terra natal de Carlos Magno.

(DA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here